Trabalhos de Caruaruenses participam de evento Internacional

Nessas últimas semanas o GEPIDH-UNIFAVIP recebeu importantes aprovações de pesquisas em um Evento Internacional, o 13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero – Florianópolis, o mais importante evento do mundo na área de Gênero. Os  trabalhos que foram aprovados são:

03. “Faces do conservadorismo e lutas de gênero em espaços digitais: relatos e ativismo”

Autor: Cláudio Gomes (3º Período)

Evento: 13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero 11- Florianópolis

Realização: 30/07 a 04/08 de 2017.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

04. “A hermenêutica diatópica e o reconhecimento de um feminismo intercultural: ativismo, emancipação e cultura muçulmana”

Autora: Maria Rita Piancó (5º Período)

Evento: 13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero 11- Florianópolis

Realização: 30/07 a 04/08 de 2017.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

05. “Pedaços de Carne: assistência psicológica à mulher vítima de crimes sexuais e as repercussões de gênero no direito penal” 

Autores/as: Alex Magalhães (7º Período) e Samara Crismarques (7º Período)

Evento: 13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero 11- Florianópolis

Realização: 30/07 a 04/08 de 2017.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Sobre o Evento

Em sua 11ª edição, o Fazendo Gênero, organizado pelo Instituto de Estudos de Gênero (IEG) da UFSC, será realizado juntamente com o 13ª Women’s Worlds Congress, que terá lugar pela primeira vez na América do Sul. Esse é um evento itinerante que reúne, a cada três anos, mulheres de todas as partes do mundo, tanto da academia como do ativismo.

O encontro, que já aconteceu em Israel, Holanda, Irlanda, Estados Unidos, Costa Rica, Austrália, Noruega, Uganda, Coreia, Espanha, Canadá e Índia, mobiliza setores diversos do feminismo que vêm conquistando espaços nas últimas décadas, promovendo debates, releituras e autocríticas. A temática que norteará essa edição é “Transformações, Conexões, Deslocamentos”.

O projeto busca, um espaço onde se possa ouvir outras vozes, novas propostas, valorizar saberes, ampliar horizontes de estudo e de ativismo. Assim, o encontro está sendo construído em conjunto com representantes de diversos movimentos sociais.

No qual buscam cruzar experiências, pesquisas, vozes ao redor do mundo sobre questões de mulheres e da equidade gênero.