Mulheres de Argila: design sustentável do Alto do Moura na Fenearte

Projeto que dá nova finalidade ao resíduo do jeans expõe 25 tipos de produtos confeccionados por artesãs caruaruenses em estande na feira. São peças como tapetes, almofadas, bolsas e jogos americanos feitos a partir de trama exclusiva

Em todo o Brasil e até mesmo fora dele, o Alto do Moura, em Caruaru, é conhecido pela arte popular em barro, pelos mestres artesãos que ganham a vida confeccionando peças de design único, responsáveis por colocar Caruaru no circuito ceramista mundial.

Agora, o ponto turístico incrustado na zona rural caruaruense é palco para outro produto com design único, ou melhor, outras peças exclusivas produzidas e comercializadas no Alto do Moura: os objetos, acessórios e roupas da grife Mulheres de Argila. A marca traz seus produtos ao Recife para a Fenearte, participando com estande individual na feira, que acontece até o dia 16 de julho no Centro de Convenções.

Ancorada nos princípios da sustentabilidade, tendo a reciclagem de resíduos do jeans como ponto de partida, a Mulheres de Argila fabrica bolsas, almofadas, jogo americano, passadeiras, tapetes, cestos, pãozeiras, aventais e camisetas, entre outros produtos, com trama artesanal produzida com sobras da indústria do jeans. O ponto de partida são as ourelas (fitas de jeans), reunidas numa trama, que origina o tecido usado na fabricação dos produtos.

“Fazemos o reaproveitamento do resíduo do jeans. Esse material iria para o lixo e é trabalhado, preparado pelas trameiras e dá origem a tecidos únicos, já que nossa matéria-prima não se repete. Isso é interessante porque as peças estão sempre em tons diferentes, são quase coleções exclusivas”, explica Wilber Lima, um dos responsáveis pelo projeto.

A base para as peças é o tecido tramado. Atualmente, 15 moradoras carentes do Alto do Moura atuam como trameiras, atividade que desempenham em casa, para complementar a renda familiar. “Algumas só fazem as tramas, outras participam de todo o processo; da trama à confecção do tecido final, que é montado em cima de entretela, num processo totalmente artesanal”, completa Wilber.

O tecido finalizado é utilizado na confecção de bolsas (são vários modelos), almofadas, jogos americanos, souplats, valises, aventais, capa da notebook, bonecas, saquinhos de lixo para carro e até delicadas sapatilhas. Para a Fenearte, a grife leva 25 modelos diferentes, comercializados a partir de R$ 12.

“Um dos segredos do Mulheres de Argila é o reaproveitamento total da matéria-prima. Até as sobras do tecido tramado, que ficam depois que cortamos os moldes, viram chaveiros em forma de folha, cacto e coração. Reaproveitamos tudo”, salienta Wilber.

Reaproveitamento é mesmo a palavra-chave do projeto. Um dos símbolos da marca é um delicado macaquinho confeccionado com etiquetas de roupa. As etiquetas com falhas são doadas ao projeto, desfiadas e viram os divertidos e coloridos macaquinhos para decorar o quarto da garotada ou mesmo ambientes em geral da casa.

O projeto Mulheres de Argila foi lançado em 2011, como um grupo de produção social e econômica formado por artesãs tendo como foco a promoção e preservação da identidade do Alto do Moura por meio da sustentabilidade. O Sebrae e o Centro Pernambucano de Design foram os parceiros iniciais e as primeiras coleções contaram ainda com o corte do estilista Melk Z-da. Foi ele que desenvolveu as tramas e alguns dos modelos que servem de base ainda hoje para os produtos.

A experiência adquirida levou à inclusão de outros materiais, a exemplo do couro, feltro e outros tecidos buscando a sofisticação das peças. Em 2015, a marca foi apresentada para participar da São Paulo Fashion Week exibindo subprodutos da moda.

Além da participação na Fenearte, a Mulheres de Argila conta com um show-room na Praça do Artesão, no Alto do Moura, que funciona em horário comercial ou por meio de agendamento. Entre os parceiros do projeto estão Sebrae e empresas madrinhas que fornecem as ourelas, dentre as quais a Kikorum.

SERVIÇO

Mulheres de Argila na Fenearte. Até 16 de julho, na Rua 13, estande 364, no Pavilhão do Centro de Convenções de Pernambuco. Horário: de segunda a sexta-feira, das 14h às 22h, e sábados e domingos, das 10h às 22h.

Show-room. Rua São Sebastião, 166, Praça do Artesão, Alto do Moura, Caruaru. Contato: 99884-0024 (Wilber), 99982-4597 (Sandra)