Racionamento de água em Caruaru terá nova redução

Obra de ampliação da capacidade das estações de bombeamento do Sistema  Prata/Pirangi está em andamento

A Barragem do Prata vertendo é um cenário que não se via há seis anos, desde 2011. A recuperação do manancial, localizado em Bonito, é uma excelente notícia para a população de Caruaru e das cidades de Altinho, Ibirajuba, Agrestina, Cachoeirinha e Santa Cruz do Capibaribe que, neste ano, enfrentaram o sétimo ano consecutivo de seca na região Agreste.Em pouco mais de um mês, a Barragem do Prata saiu da situação de pré-colapso e conseguiu armazenar 42 milhões de metros cúbicos de água, a capacidade máxima acumulação do reservatório. No entanto, a Barragem do Prata cheia não é suficiente para retirar a maior cidade do Agreste do racionamento. Caruaru precisaria da água da Barragem de Jucazinho para ficar livre do rodízio definitivamente.

 

Jucazinho, localizado em Surubim e responsável pelo abastecimento de 60% da cidade de Caruaru, permanece em colapso desde setembro do ano passado – quando foi implantado o calendário de abastecimento em Caruaru – e ainda não conseguiu acumular água no período de chuvas. “Será necessário, por enquanto, continuar com o racionamento em Caruaru. Estamos executando uma obra complementar para a troca dos conjuntos motorbomba do Sistema Prata/ Pirangi por equipamentos mais potentes. Essa medida vai permitir um acréscimo de 200 litros de água, por segundo, para 800 mil pessoas em Caruaru e nas outras cidades da região”, informou o gerente de Unidade de Negócios da Compesa, Mário Heitor.

 

O Governo do estado investe R$ 2,6 milhões na ampliação da capacidade das estações de bombeamento do Sistema Produtor Prata/Pirangí. A Compesa trabalha para concluir essa obra até o final do mês de setembro deste ano e reduzir o calendário de abastecimento de água em vigor em Caruaru, que é de cinco dias com água para 15 dias – desde o final do mês de junho.Em fevereiro, quando o Prata alcançou 20% da sua capacidade, o racionamento em Caruaru chegou a ser realizado no regime de cinco dias com água e 20 dias sem. “A Adutora do Pirangi foi uma obra fundamental para garantir a preservação hídrica da Barragem do Prata, e evitar que o manancial entrasse em colapso antes do período chuvoso”, acrescentou Mário Heitor.

 

Tramo Sul de Jucazinho

 

De acordo com o gerente da Compesa, outra obra complementar, que deverá ser concluída até o final deste ano, vai viabilizar o retorno do abastecimento de água para as cidades do Tramo Sul de Jucazinho: Passira, Cumaru, Riacho das Almas e Salgadinho. Essas cidades  estão sendo abastecidas exclusivamente por caminhões-pipa. A construção de uma nova unidade de bombeamento na Estação de Tratamento de Água (ETA) do Salgado, em Caruaru, vai proporcionar a inversão do sistema – que antes vinha de Jucazinho para Caruaru – para retornar o caminho da adutora levando uma vazão de 200 litros de água, por segundo, do Prata e Pirangi para atender essas cidades. Para a cidade de Toritama, a Compesa atenderá o município  por um trecho da Adutora do Agreste, que será interligada à Adutora de Tabocas, alimentada c om águas do Sistemas Prata/Pirangi. A obra está em execução  e a previsão é concluir as intervenções em agosto.